Central de Atendimento: (19) 3404-3700 | Assinatura: (19) 3451-2100

Capa

80 anos - Promoção
Artigos & Colunas
Bastidores
Bate Pronto
Biodiversidade
Caderno de Lazer
Cinema
De Olho na TV
Dois Toques
Educação
Em Família
Em Tempo
Enfoque
Esportes
Gazetinha
Geral
Giro Nacional
Jornal da Mulher
Local
Painel Esportivo
Panorama
Política
Ponto Um
Prêmio de Literatura
Região
Segunda Esportiva
Segurança
Texto&Contexto
Tô on-line
Vídeos
Viver Mais
O Jornal
Assine
Anuncie
Clube do Assinante
Fones úteis
Política de privacidade
Fale conosco
 

Da redação
Bastidores
Circulando
Enfoque
Jornal da Mulher
Lazer
Painel Esportivo
Prisma
Texto&Contexto
 

 

 

  Notícia >> Morre aos 80 anos o radialista Toninho da Engenhoca  (12/4/2009)
 
 
Morre aos 80 anos o radialista Toninho da Engenhoca

José Antônio Encinas
O radialista Waldomiro Antonio, de 80 anos, mais conhecido como “Toninho da Engenhoca”, faleceu anteontem, às 17h, na Sociedade Operária Humanitária, onde estava internado. Toninho foi um dos radialistas mais carismáticos do rádio limeirense, onde atuava havia 49 anos, com um estilo alegre e descontraído. Atualmente, comandava um programa que levava seu nome na Rádio Mix, das 4 às 6h. Ele nasceu na fazenda São Francisco, em Cordeirópolis.
Antes de ser radialista, Toninho foi cantor na dupla sertaneja Mineiro e Antoninho, de 1947 a 1956, chegando a gravar cinco discos e a se apresentar em São Paulo e em diversas outras cidades do interior. Em 1960, o então proprietário da Rádio Educadora, Vitório Bortolan, o convidou para apresentar um programa sertanejo na emissora, chamado “Do Alto da Serra”. Esse programa foi levado ao ar até 1970, quando Toninho transferiu-se para a Rádio Jornal do Povo, onde ficou até 1998. Naquele mesmo ano, ele foi convidado para retornar à sua primeira emissora, onde ficaria até 2002. Em seguida, foi para a Rádio Mix, onde apresentou seu programa até a última quarta-feira.
Em 2000 o radialista contou, em entrevista à Gazeta, que o programa sempre teve o seu estilo, ou seja, folclórico e bastante alegre. “Procuro fazer um programa para deixar a pessoa animada para enfrentar mais um dia de trabalho”, declarava.
Toninho era diabético e morreu em virtude de uma parada cardíaca. Ele era viúvo de Edith Ulman Antonio e deixou os filhos Benedito, Maria Aparecida, Luiz Carlos e Rinaldo. Seu sepultamento ocorreu ontem, às 16h, no Cemitério Municipal, aos cuidados da Funerária Gullo.
 
 






  Quem será o camapeão brasileiro no próximo domingo?
  Corinthians-SP
  Vasco-RJ
 

 

 

 

 
 
Matriz: Rua Senador Vergueiro, 319 - Centro - Limeira - CEP 13480-000 - Central de Atedimento e Redação: +55 (19) 3404.3700 - Assinatura: (19) 3451-2100
© Gazeta de Limeira 2004. Todos os direitos reservados. Desenvolvimento: POSITIVA design